quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Templos de pedra, cimento e fé

Alguns blogs que acompanho reproduziram trechos da reportagem da revista Época que tratou dos “megatemplos” católicos ou evangélicos em construção no país, o que para a revista seria uma mostra da força do cristianismo brasileiro.
Na realidade, esse tipo de reportagem é sazonal. Todo final de ano, na edição que precede ao Natal, as grandes revistas brasileiras publicam alguma reportagem (ora positiva, ora negativa) sobre Jesus Cristo, Igreja ou algum tema relacionado à religião, e que solenemente é deixado de lado no restante do ano. Menos mal, considerando que o Natal é um período de concorrência atroz entre o Cristo da manjedoura e o Papai Noel das lojas e promoções.
Contudo, essa reportagem me fez lembrar de um filme que assisti há algum tempo, Stigmata (1999) – é ruim, eu não aconselho – com Gabriel Byrne no papel de um padre que tem acesso a um evangelho apócrifo escondido pela Igreja católica e precisa investigar uma série de eventos sobrenaturais, casualmente em um Brasil caricato. Nesse apócrifo, está uma mensagem que abalaria as estruturas da Igreja (“Deus não habita em templos feitos por mãos humanas”).
Para evitar que tal mensagem impactante, que se repete miraculosamente (e que não tem nada de mais, é igual a Atos 17.24), venha a ser conhecida do público, a Igreja elimina uma série de inimigos que tiveram acesso a esse segredo, inaugurando uma temática muito explorada nos últimos anos.
O fato é que o vigor do “cristianismo brasileiro” não pode ser medido pela construção de templos de grande capacidade. Isso é um modismo passageiro. Começou nos Estados Unidos com construções grandiosas, como a Crystal Cathedral, em Garden Grove, CA, prestes a ser vendida por seu criador e construtor por falta de fundos para mantê-la.
Somente poderíamos aceitar um certo vigor do cristianismo brasileiro se víssemos o aparecimento de obras teológicas importantes, novos comentários bíblicos, a participação de linguistas brasileiros na tradução de documentos antigos, ou o envio em boa quantidade de missionários a outros continentes. Infelizmente, segundo Russel Sheed, há menos de um missionário transcultural para cada 10 mil crentes e quase todas as publicações teológicas são traduções de trabalhos estrangeiros.
O que o cristianismo brasileiro não pode reclamar é da música (especialmente a evangélica) e do surgimento de igrejas. Nesse contexto, não é anormal que algumas delas sejam gigantescas. Se for para atender uma necessidade de se reunir 25, 30 mil pessoas, é natural que se pense na construção de templos realmente de grande tamanho.
O que não é compreensível é que um Templo apresentado para ser um dos mais imponentes do mundo, seguindo os moldes do templo de Salomão na Jerusalém bíblica, disponibilize apartamentos, área de lazer com sauna e churrasqueira, como se a igreja fosse a extensão da casa do seu próprio líder-proprietário.
Não é à toa que as igrejas evangélicas que estão erguendo os templos de maior magnitude (e que só o futuro dirá se serão concluídos, ou que serventia terão nos próximos anos) são aquelas para as quais o dízimo bíblico é insuficiente para suas metas de auto-promoção. A primeira delas é a criadora da ‘Fogueira Santa’, um rito sacrificial no qual o nome de Deus é invocado para satisfazer a ambição humana. A outra é a inventora do ‘trízimo’.
Nenhuma dessas criações é representativa de qualquer vigor para o cristianismo.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Tolerância, cinismo e a vida dura dos ateus (segundo Eliane Brum)

Em sua coluna na Vanity Fair, o recentemente falecido Christopher Hitchens adorava comentar sobre algum aspecto bem detestável da vida cristã nos dias de hoje – geralmente alguma excentricidade americana, como o governador do Texas, Rick Perry, ter dirigido uma oração pedindo por chuva – para, em seguida, pulverizar veneno sobre toda possível crença em Deus, em todo lugar e em qualquer época.
Essa prática argumentativa se chama indução, e faz com que o leitor se familiarize com situações absurdas (porém, muito específicas) para em seguida induzir sua compreensão particular sobre uma realidade muito maior, da qual não podemos (humanamente) entender na sua totalidade. Esse tipo de prática é desaconselhável em se tratando de filosofia, mas é um recurso amplamente usado no campo no jornalismo. Não é mentir, mas também não é dizer a verdade.
Hitchens deixou seguidores. Em artigo na revista Época (15.11.2011), a jornalista Eliane Brum usou e abusou desse recurso ao usar uma situação real para explicitar o que seria dos ateus em um Brasil com a presença cada vez maior dos evangélicos, cada um (imagina-se) esforçando-se para dizer a todos que quem não aceitar Jesus, não será salvo.
Segundo ela, o taxista evangélico que ousou convidar uma jornalista ateia para visitar uma igreja foi “doutrinado” para acreditar que um ateu é uma espécie de Satanás. Logo, ele não resolveu falar sobre Jesus por uma inclinação pessoal, mas porque a religião o tinha transformado em um ser intolerante – da mesma forma como os ‘carecas do ABC’ infundem atributos pessoais conforme a cor da pele, origem regional ou forma de relação sexual. Em busca de uma explicação melhor, a autora do artigo foi até ao site da igreja dele e saiu apavorada com uma mensagem intitulada ‘O perigo da tolerância’. Estava aí a senha que pode tornar, no futuro, um jovem taxista animado em um perigoso terrorista cristão potencial.
A mensagem indireta é muito clara: “– Você está errado em não ficar preocupado aí. Faça alguma coisa”. Os argumentistas dessa categoria costumam colecionar pequenas notícias (ou, na falta delas, situações sem nenhuma importância prática) para construir conceitos concordantes com sua visão pessoal a serem compartilhados da forma mais sutil possível com os que ainda não têm conceito algum. Sites ateístas que relacionam crimes e falcatruas cometidas por pastores... sites evangélicos que listam escândalos de pedofilia (mas somente os cometidos dentro da Igreja católica)... sites católicos que listam dezenas de igrejas protestantes e seus fundadores (mas nenhum deles é Pedro)... A indução é muito utilizada. Não é ética, mas geralmente funciona.
Contudo, se podemos concordar na necessidade de respeito para a convivência mútua dentro de uma sociedade “cordial”, temos, por outro lado, que admitir que essa convivência requer, no mínimo, o respeito a requisitos da ética, entre os quais se encontra a obrigação de falar dos fatos como realmente são.
Fui ao site da igreja Novidade de Vida ler a íntegra da preleção 'O perigo da tolerância', que pode ser conferida em http://www.novidadedevida.com.br/2011/11/o-perigo-da-tolerancia/
Qualquer leitor devidamente alfabetizado poderá conferir que a mensagem não trata da relação com outras pessoas e/ou religiões, mas à forma de cada um lidar com seus próprios vícios ou os que existem dentro de sua família - e, antes que a criatividade queira determinar que vícios são esses, os citados foram a perdulariedade financeira, a insubordinação aos pais e a pornografia, ou seja, situações em que não é preciso crer em Deus para se tomar alguma providência séria para evitá-las.
Se antes falávamos em sutilezas filosóficas da argumentação, agora não vemos sutileza alguma. Destacar uma frase e direcioná-la a um contexto que não corresponde ao sentido da mensagem sobre a tolerância não é algo que se espera da mais elementar ética, seja no jornalismo, seja na vida cotidiano. Isso não é fazer o bem. Não é ser honesto.
Por outro lado, o artigo me fez lembrar outras situações presentes, até mesmo em minha vida pessoal. Temos que admitir que a jornalista passou por uma situação “leve”, sem constrangimentos. Ela não deve ter perdido o sono naquela noite, e não teve nenhum desconforto a não ser conversar com um desconhecido em uma perspectiva que definitivamente não era a dela.
Pois na mesma data em que era publicado o artigo, conversei com um cidadão que não gostou que se falasse em igreja, gritou dizendo que odiava Deus, e que Jesus era ainda pior. Esse, porém, não quis mudar de assunto, começou a me ofender em via pública, me chamando de 'fascista' e acabou por esmurrar a frente do meu carro. A jornalista devia se sentir contente por apenas um sorriso nervoso.
Observem. Eu não vim aqui me queixar dizendo que ateus são esbravejadores intolerantes e que agridem as pessoas. São comportamentos individuais. Exatamente como o do taxista e da jornalista. Há comportamentos tanto intolerantes quanto tolerantes entre evangélicos, ateus, umbandistas, católicos ou islâmicos. Qualquer um pode ter a opinião que quiser sobre esses grupos, mas não é nada correto abstrair um comportamento geral a partir de atitudes pessoais. Essa, basicamente, é a essência do racismo.
Não presumam que o crente nunca saiba o que é agnóstico ou seus correlatos, ou que seja um analfabeto funcional disposto a tirar do casaco uma Bíblia e tacar na sua cabeça.
Não é nada sensato, como também me ocorreu há poucos dias, que um ateu tenha insistido comigo que cremos em todas as histórias registradas na Bíblia exatamente como estão lá – o que nem os teólogos mais conservadores admitem. Os crentes sabem que algumas leituras são temporais e que não devem ser compreendidas como manuais científicos. Assim como extrapola a qualquer racionalidade que um outro tenha vindo a exigir a aprovação do PL122 contra os 'hipócritas' e 'fanáticos', para acabar com o preconceito, quando justamente o preconceituoso era ele.
Se alguém realmente está preocupado com atitudes intolerantes, o mínimo que se espera desse alguém é que compreenda as diferenças de opinião, e que não venha a estimular opiniões intolerantes ou carregadas de preconceitos ao induzir que apenas um grupo (e somente ele) é o instigador de violências imaginárias.
Nós, crentes, temos bem maior conhecimento e sensatez do que o meio comum admite que tenhamos. Só ainda não temos espaços para demonstrar isso.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Evangélicos ‘éticos’ usam montagem contra Silas Malafaia

Uma montagem gráfica, feita por um site de humor tem sido usada por centenas de sites de blogs e sites de jornais de baixa circulação como forma de ataque ao pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.
A montagem utiliza uma fotografia antiga publicada no portal G1 e mostra o pastor Malafaia apresentando um suposto “spray mata-capeta” e alguns depoimentos fictícios de pessoas que utilizaram esse produto.
Apesar do site original alertar que suas notícias não são verídicas – seu lema é “sem compromisso com a verdade” – as referências ao produto pretensamente lançado foram apresentadas como se fossem verdadeiras, inclusive por alguns blogueiros dos chamados evangélicos ‘éticos’, que foram retratados na revista Época como representantes de uma nova reforma protestante (9/09/2010).
A montagem foi facilmente percebida por comentaristas que acessam esses blogs. Os usuários reclamaram que é uma forma desrespeitosa de crítica.
Em abril, alguns blogs noticiaram que o pastor Silas Malafaia circulou com uma limusine alugada pela diária de 7 mil reais pelas ruas de Porto Seguro (BA). A notícia era falsa e o pastor nem esteve na Bahia naqueles dias.

Alguns blogs ‘éticos’ que tentaram confundir seus leitores:
http://www.pavablog.com/2011/09/08/silas-malafaia-lanca-spray-que-remove-o-diabo-do-couro/
http://tiagonogueira.com.br/blog/?p=1330

Cerveja para a família

Imagina isso aqui...

Casal multado por reuniões bíblicas nos Estados Unidos

Um casal de San Juan Capistrano, CA, que reunia outros casais para estudos bíblicos foi multado em 300 dólares por realizar o que as autoridades locais definiram como “uma reunião regular de mais de três pessoas”, o que foi comparado como uma forma ilegal de igreja, e não como uma reunião privada.
Caso descumpram a determinação de parar com as reuniões, o casal terá multas subsequentes de 500 dolares para quaisquer outros “encontros religiosos”.
Para o procurador da cidade, o casal reúne às vezes até 50 pessoas nas manhãs de domingos e tarde de quinta-feira, causando problemas no acesso ao estacionamento das ruas em volta. Porém, para o representante do Pacific Justice Institute, Brad Dacus, a imposição de licença para estudos em casa é ultrajante. A rua onde reside o casal é semi-rural, com propriedades com mais de um acre. “Esse assunto poderia ser resolvido muito facilmente”, disse ele.
Mais de 20 grupos de estudo bíblico se encontram em San Juan Capistrano.
http://www.religionnewsblog.com/26184/us-couple-threatened-with-500-per-meeting-fines-for-home-bible%C2%A0study

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Edir Macedo perde o juízo: será que bebeu?

Em seu caminho para o ateísmo, o líder-proprietário da Igreja Universal, bispo Edir Macedo tem passado nos últimos anos por uma série de redefinições pessoais.
No último de seus ataques, Edir Macedo comparou os cultos das igrejas pentecostais aos terreiros de candomblé (como se a IURD não tivesse nenhuma semelhança) e chutou em 99% o percentual de cantores gospel endemoniados (seguramente, nenhum da Line Records).
O bispo abortista foi incisivo: “Todos os pastores e líderes que caem pelo poder de Deus estão endemoniados, estão literalmente possessos. Se vierem na Igreja Universal do Reino de Deus, vão cair. Agora eu quero ver colocar a mão na minha cabeça e me fazer cair. Eu agora faço um desafio. Vocês podem vir 7, podem vir 70, podem vir 400 profetas lá das outras igrejas que caem pelo poder, vocês todos, e ponham a mão da minha cabeça. Se eu cair, eu vou aderir a essa doutrina.
Ana Paula Valadão, do Diante do Trono, foi usada como exemplo, por ter ‘caído em unção’ durante um culto ministrado por um pastor finlandês.
Em fevereiro, Edir Macedo admitiu que bebe cerveja, desafiando uma tradição no meio evangélico – do qual, aliás, está cada vez mais distante: “A religião proíbe beber cerveja, mas eu bebo cerveja quando eu estou com vontade eu bebo e acabou! E quem é que vai me dizer pra eu não beber?”.

Comentário 1: Descontando a descortesia para com os cantores gospel, o fenômeno de ‘cair pelo poder’, rodopiar na igreja e outros chiliques deve ser tratado com seriedade e cuidado pelos evangélicos. A maioria das igrejas (mesmo as pentecostais) rejeita esses excessos, e seria ingenuidade acreditar que os líderes não se preocupam com suas semelhanças com ritos afro ou com terapias xamânicas.
Edir Macedo não está errado.
O problema é: que moral tem a IURD para falar disso?
Todo mundo sabe que a igreja tocada pelo bispo Macedo especializou-se em sessões de descarrego, sabonetes de arruda, objetos ungidos e outras práticas cristianizadas das mais baixas superstições do folclore brasileiro.
Por que agora o bispo está tirando o corpo fora?

Comentário 2: Há muitas referências à bebida na Bíblia. É sempre uma fonte de alegria e também uma causa de sérias confusões. Qualquer afirmação no sentido de que não se pode beber nunca desemboca em um legalismo incompatível com a maturidade cristã. Por outro lado, dizer que se pode beber (mesmo “socialmente”) é um convite à irresponsabilidade.
Alguns alegam agora que o impedimento à bebida por parte do movimento evangélico foi uma situação temporal, criada em um momento em que na Europa o alcoolismo imperava, e por isso o governo europeu (SIC) criou centros de recuperação de alcóolatras, e os primeiros missionários vieram ao Brasil com esse tipo de visão sobre o consumo da bebida. Na realidade, os missionários vieram dos Estados Unidos (não da Europa), o alcoolismo existe em qualquer parte do mundo e os governos jamais criaram centros de recuperação para o vício que tivessem vínculos com igrejas ou missões.
Mas, se partirmos do ponto de que sim, o crente pode beber livremente, teremos que cuidar para não chegar ao ponto de sermos incluídos entre os “beberrões” (1Cor 6.10, Ave Maria), de que Paulo fala que não herdarão o reino de Deus. Se quisermos fazer um critério de situações em que a bebida é esporádica e moderada, e quando se torna um vício devastador que destrói carreiras e lares, a diferença é apenas a quantidade. Ou seja, abre-se a porta, abre-se toda a porteira.
Outros sustentam – mais por vaidade bíblica do que qualquer outra coisa – que não se encontra na Bíblia nenhuma proibição de beber – salvo o voto de abstinência, temporário e especial, do nazireu (Num 6.3), que sequer podia comer uvas – e que, pelo contrário, em Mat 11.19, Jesus fala que diziam dele que era um “glutão e um beberrão” – em comparação direta com João Batista, que nada bebia e tinha como iguaria os gafanhotos do deserto. O primeiro grande milagre registrado nos Evangelhos (João 2), na festa de casamento em Caná, é a transformação da água... em vinho.
Desse jeito, chegaremos ao ponto de existirem bafômetros nas igrejas!
Não. Não há por que termos, enquanto cristãos, de definir o ponto em que o consumo de álcool é moderado, e quando é um vício incontornável. A questão está sempre no propósito.
Qual o propósito de beber?
Tomar coragem para fazer algo que se sabe que é pecado? Esquecer a inibição masculina diante dos problemas e sentir-se forte para uma agressão física? Sentir-se inserido em um círculo de amigos contadores de piadas – nome novo para ‘roda de escarnecedores’?
Se esses são propósitos comumente aceitos para o primeiro copo de bebida, então a quantidade é indiferente.

Comentário 3: Deixem o Edir Macedo beber. Ponham-se na situação dele. É alguém que, no fim das contas, fez mais mal do que bem ao Evangelho. Ele sabe que vai para o inferno, pelos males que tem causado à Igreja e pela disseminação de tantos modismos que agora ele critica. Por que privá-lo do prazer da bebida nos anos que restam à sua vida?

Já vimos essa história

Na foto, homens retiram ossos de uma vala coletiva, utilizada na Líbia pelo ditador Kadhafi para se livrar de milhares de presos políticos na década de 90 (época em que levantes árabes não tinham sucesso).

Ao pessoal do PPL: Onde estava o Hora do Povo quando esses massacres ocorriam?

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Emenda pró-homossexual agrada à senadora Marta Suplicy

Do blog do Julio Severo: “A senadora Marta Suplicy (PT-SP) elogiou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC), elaborada pela Comissão Especial de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que quer ampliar privilégios a indivíduos viciados em práticas homossexuais.


O projeto em questão prevê uma série de ações que aceleram a agenda homossexual do Brasil, com ações punitivas contra atos de discriminação contra a orientação sexual de terceiros. Todos os que “incitarem o ódio ou pregarem” contra o homossexualismo poderão ser reclusos de 2 a 5 anos.
Entre outras disposições, o projeto da OAB defende a retirada das menções a ‘pai’ e ‘mãe’ nos documentos de identidade (trocando apenas por ‘filiação’), a adoção de cotas proporcionais à orientação sexual no serviço público, o início do tratamento para a troca de sexo aos 14 anos – e a cirurgia (gratuita) a partir dos 18 – e a proibição de tratamento de reversão da orientação sexual, mesmo por vontade própria.
O projeto foi aplaudido pela senadora Marta Suplicy, que defende a sua apresentação em seguida ao PLC 122/2006: “A PEC é bem mais difícil de aprovar. Então, vamos começar com a homofobia e avaliar o momento adequado para fazer uma PEC com essa amplitude, que é realmente o sonho que nós gostaríamos para todo o País”.
Comentário: Realmente é um projeto bem mais amplo.
Sugerimos à senadora Marta Suplicy, inclusive, a adição de mais um artigo: “É proibido que candidatos em campanha eleitoral façam insinuações públicas sobre a orientação sexual de seus adversários”.
O que acham?

domingo, 31 de julho de 2011

‘Marco Zero’: pomo da discórdia

O local chamado ‘Marco Zero’ (Ground Zero), a área onde ocorreram os atentados contra o World Trade Center em 11 de setembro de 2001, caminha para tornar-se um dos grandes polos mundiais da discórdia religiosa, mais ou menos como o setor onde está a cúpula do Rochedo, em Jerusalém.

A questão azedou-se há dois anos com o projeto de construção de uma mesquita e um centro cultural próximo à área do Marco Zero, iniciativa que desde cedo teve pesado apoio do prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, e, por outro lado, a oposição de líderes cristãos de diversas partes do país.


O que precisamos entender sobre isso?


Para uma parcela da opinião pública, a construção de uma mesquita islâmica é bastante oportuna para mostrar que os Estados Unidos são uma nação multicultural, o que desencorajaria futuras ações terroristas de militantes radicais, dentro e fora do país, e que (por acaso) são de religião islâmica e sempre viram o WTC como um símbolo a ser destruído – até o dia em que conseguiram.


Contudo, para além de toda essa ingenuidade ‘politicamente correta’, há um duplo-padrão na atitude dessas autoridades quando ao uso do Marco Zero e suas imediações para construções com alto valor simbólico.


É preciso lembrar que Nova York é uma das cidades com metro quadrado mais valorizado no planeta e a construção de um prédio para finalidades religiosas é impossível sem o aval oficial, a eliminação de complexos entraves burocráticos, e um forte amparo financeiro, inclusive com recursos públicos – o que se choca com a Cláusula de Estabelecimento da Primeira Emenda, que há mais de 200 anos estabelece uma rigorosa separação entre o estado e a religião.


Essa situação contrasta com a situação de uma pequena igreja ortodoxa grega, situada dentro do Marco Zero (neste local desde 1916 e totalmente destruída pelo atentado de 2001). Sua reconstrução vem sendo sistematicamente bloqueada desde então pela Autoridade Portuária da cidade – que prefere usar o seu terreno como um estacionamento. O prefeito Bloomberg não tem dado nenhum apoio à reconstrução da igreja ortodoxa em seu próprio terreno original.


Na última semana, os ateus resolveram meter o bedelho no Marco Zero.


Sua intenção é remover uma cruz de 17 metros erguida recentemente no memorial do 11 de Setembro. Essa cruz, na verdade, é uma parte da estrutura original do WTC que foi encontrada por trabalhadores no meio dos escombros. Acabou se tornando um símbolo que homenageia os mortos naquele ataque. Para os ateus, porém, esse ícone representa apenas uma religião.


A cruz não é o único símbolo religioso presente no memorial. Há símbolos de religiões que representam os diferentes credos das milhares de vítimas dos atentados (que incluíam até mesmo muçulmanos). Mas os ateus, até o presente momento, só querem derrubar a cruz.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Breivik e o 'fundamentalismo cristão'

‘Fundamentalista’ é um termo pejorativo que quase ninguém sabe dizer com certeza o que é. 

Por esse motivo, muita gente vem se sentindo livre para criar conceito extremamente criativos para se definir o que é o fundamentalismo, desde que se mantenha a propósito de retratar um perfil o mais desagradável possível.

Foi assim que o assassino norueguês Anders Behrig Breivik, que matou mais de 76 pessoas em Oslo, foi chamado pela mídia de várias países como um ‘cristão fundamentalista’.

De fato, Breivik segue um ideário pitoresco que procura restaurar a Europa ‘cristã’ como contraponto à presença cada vez maior de muçulmanos em seu país. Contudo, essa identificação ao cristianismo é exclusivamente cultural e não envolve nenhum elemento de fé cristã. Foi um tremendo exagero (mal intencionado, talvez) rotula-lo como um ‘fundamentalista’.

Vejamos algumas considerações do próprio Breivik, obtidas com a leitura mais detalhada de seus escritos:

1. Breivik não se considera um religioso. "Não vou fingir que sou uma pessoa profundamente religiosa, pois isso seria mentira. Sempre fui muito pragmático e influenciado pelo ambiente secular em que vivo". Ele também afirma que tem fortalecido suas convicções através da meditação e da prática de rituais.
Já o cristão fundamentalista é uma pessoa religiosa, e que procura resistir ao ambiente secular. O cristão reforça sua fé através da oração e do jejum.

2. Breivik não considera necessário um relacionamento pessoal com Deus para ser cristão, e ele próprio tem dúvidas sobre a existência de Deus. "Sou em primeiro lugar um homem de lógica". Sua concepção de Europa cristã não exige nenhum elemento de fé cristã; até mesmo um ateu que preserve o legado cultural cristão corresponderia às exigências de Breivik: "Você não precisa ter um relacionamento pessoal com Deus ou Jesus para lutar por nossa herança cultural cristã. Basta que você seja um agnóstico cristão ou ateu cristão".
O cristão, ainda mais se for fundamentalista, não tem dúvida acerca da existência de Deus.

3. Breivik louva Charles Darwin e defende a teoria da evolução nos pontos em que esta contradiz a Bíblia. "Quanto à Igreja e à ciência, é essencial que a ciência tenha uma prioridade indiscutível sobre os ensinos da Bíblia".
O cristão fundamentalista crê na Bíblia; é muito comum, em certos círculos, a rejeição ao evolucionismo biológico.

4. Breivik defende a adoção de uma agenda fortemente pró-homossexual para a Europa, como parte de um programa para a consolidação de valores seculares para o continente.
Já os cristãos fundamentalistas entendem que o homossexualismo é pecado, e são contrários à agenda homossexualista.

5. Breivik defende que as igrejas protestantes se auto-dissolvam e voltem ao catolicismo. "São necessárias inciativas para facilitar a desconstrução das igrejas protestantes, cujos membros devem se converter de volta ao catolicismo".
Os cristãos fundamentalistas rejeitam qualquer aproximação com o catolicismo.

6. Breivik afirma ser integrante de uma ordem de cavaleiros Templários, cujos antecedentes são evocados historicamente como a origem da moderna maçonaria. O próprio Breivik proclamou-se ser maçom, e cometeu o massacre vestindo paramentos maçônicos.
Os cristãos fundamentalistas consideram a maçonaria como levemente satânica.

7. Breivik critica asperamente o fundamentalismo cristão e deixa bem claro que não é essa a Europa que ele e seu grupo querem. "Portanto, é essencial entender a diferença entre uma 'teocracia fundamentalista cristã' (tudo o que não queremos) e uma sociedade europeia secular baseada em nossa herança cultural cristã (o que queremos)." Ele entende que o iluminismo e o secularismo são uma continuidade do cristianismo cultural, e não como algo que se opõe à herança cristã.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Você ainda vai ter uma lei só sua

A cobertura da mídia sobre o incidente em que pai e filho foram agredidos por um grupo que os confundiu com homossexuais em uma feira em São João da Boa Vista (SP) foi geralmente completada pelo seguinte comentário: “E ainda não existe uma lei contra a homofobia”.

Esse comentário induz claramente no ouvinte ou no leitor a seguinte conclusão inevitável: “Então deveria existir essa lei...”. Qualquer um irá concordar que se trata de uma violação brutal à integridade física de duas pessoas, desconhecidas por esse grupo, que agiu movido por um sentimento ainda não bem explicado de ódio ou preconceito. Até esse ponto não há nenhuma discordância.

O erro está em inferir a necessidade de um agravante adicional ao motivo que gera o preconceito (nesse caso, impropriamente, já que as vítimas nem eram homossexuais). A punição contra agressores físicos já é prevista na mesma lei que protege todo e qualquer cidadão contra violações à sua integridade individual. Não se pode afirmar previamente que os agressores serão punidos segundo os procedimentos abertos na Justiça. Porém, que lei existe, existe.

Porém, se cada tipo de agressão praticada exigir uma lei adicional que enfatize a sua motivação (talvez de modo a saciar os sentimentos que a mídia desperta na própria sociedade), teríamos que pensar em leis específicas contra todo grupo que for atingido por algum tipo de agressão imotivada (obesos, magros, altos, magros, religiosos, não-religiosos, etc). A facilitação de cada uma lei dependeria apenas na mobilização de cada um desses grupos, para convencer a sociedade que a agressão que sofre é mais injusta que a dos demais.

Fatalmente, a sociedade seria dividida entre "protegidos" (sob guarida apenas da lei geral) e "superprotegidos" (sob guarida da lei geral e mais uma específica). É fácil entender porque essa questão sai do campo do direito e emerge no campo político.


quinta-feira, 14 de abril de 2011

Páscoa sem Jesus

Um anúncio produzido por uma igreja chamando para seu culto anual de Páscoa, no próximo dia 24, foi recusado nos nos cinemas dos Estados Unidos por citar o nome de Jesus.

A Compass Bible Church, que realiza o evento para 5 mil pessoas, já fazia anúncios em cinemas, mas a NCM Media Networks (que gerencia a exibição de anúncios em telões de cinema) alegou que segue a norma de rejeitar anúncios com figuras religiosas porque alguns cinéfilos podem se sentir ofendidos com os anúncios: "Foi dada a oportunidade para que refizessem seu anúncio de culto de Páscoa nos cinemas de acordo com as normas, mas a Compass Bible Church optou por não fazê-lo".

A igreja respondeu dizendo que a proposta da NCM era de incluir apenas onde e quando o evento seria realizado. Várias igrejas locais em todo o país utilizam o cinemas para anunciar seu eventos, mas para fazer o anúncio de Páscoa o pastor Mike Farabez foi aconselhado a seguir um anúncio-padrão com coelhinhos e ovos de Páscoa.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Paz para todo o mundo

Olá, a paz... (como fazer a saudação ???)
Paz do Senhor, como os evangélicos pentecostais?
Graça e Paz, como geralmente os evangélicos não-pentecostais?
ou Paz e Bem, como os católicos?

É interessante observar como até mesmo a saudação cristã mais simples se submete às divisões existentes no cristianismo de nosso meio. Certamente, se eu fizesse uma comparação mais ampla, surgiriam ainda outras variações.

No entanto, essas variações correspondem ao contexto da cultura, e não necessariamente da fé. Procurei fazer uma pesquisa etimológica sobre a diferença entre "orar" e "rezar" e, pelo que consegui apurar, elas não existem quanto ao significado original dos termos. Nem existe essa diferença em outras línguas.

Contudo, não se pode simplesmente deixar de lado o contexto cultural, que nos remete a um significado de rezar ligado às “rezas” como recitações mecânicas, visando a um fim mágico, ou, pela sua quantidade e/ou intensidade, convencer Deus a mudar o destino pela insistência.

Sim, é bem isso que Cristo responde sobre não orar usando de vãs repetições (Mat 6.7).
Porém, no rigor que a abordagem da Escritura exige, essas vãs repetições (que constam no texto das versões protestantes - as católicas, cuidadosamente, apenas alertam para que "não multipliqueis as palavras") podem ocorrer tanto no rezar padronizado e contabilizado pelas contas do rosário, quanto na oração "forte" dos profetas ocasionais, cheia de cacoetes automáticos e imitativos em que parece que a língua, sozinha e descontrolada, assume o lugar da consciência no ser.

Querido, o Espírito Santo não é um bicho irracional que, incitado e acuado por uma sequência de glórias e aleluias, se esvai em vocábulos incompreensíveis para manifestação da glória de Deus. Na hora que for necessário interceder em oração, Deus quer a tua palavra sincera e o teu coração quebrantado, e tem toda a paciência do mundo para esperar até que venha a tua voz. O Espírito não falará por ti.
Se você aprendeu ou descobriu uma técnica pessoal para se fazer falar em "língua estranha", parabéns, bem-vindo ao mundo dos gentios, do paganismo e da feitiçaria.

Então, passar das crendices incubadas no catolicismo para uma ladainha evangélica repleta de palavras de guerra é um retrocesso?
De modo algum.

Não creio que o modo de passagem do catolicismo para a fé evangélica esteja nas minúcias doutrinárias que desenvolveram a Reforma protestante do século XVI (e que não fazem nenhum sentido hoje). É ridículo achar que católicos se preocupam com "fé e obras", enquanto que os evangélicos apenas com "fé", e mais ridículo ainda é que se dá ao trabalho de achar comprovações ocasionais da diferença de comportamente baseada nesse critério.
Não se deve desprezar a busca pela interação com a divindade que antes era inexistente, e é inevitável que boa parte da descatolicização tenha surgido da revolta genuína contra o obsoleto sistema de ritos encarnado no catolicismo tradicional - embora sempre existirá quem aprecie eles, na falta de coisa melhor. Claro que isso desemboca em uma onda de "conversões", mas esse não é o único caminho.

O perigo está em que, ao fazer tábula rasa de dois mil anos de cristianismo litúrgico e tentar construir uma fé exaustivamente alicerçada na Bíblia (como se fosse original), o evangelismo trilha as mesmas dúvidas de toda a longa trajetória da Igreja cristã - e, inevitavelmente, os mesmos erros. Por isso não é tão descabida assim a ideia de uma "reforma da Reforma" (embora seja inteiramente errada do ponto de vista histórico, pois não está se reformando a Reforma mas um reflexo distante desta para ser mais igual à própria Reforma).

Então vou terminar essa mensagem sem saudação alguma.
A todos somente a Paz, que é suficiente para expressar algo que está acima das diferenças culturais dentro da sociedade e que pensamos serem de fé.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Eu penso que posso


“Não pense tal homem que receberá do Senhor coisa alguma; homem vacilante que é, e inconstante em todos os seus caminhos”

Tiago 1.6-8

A frase constante de “The Little Engine That Could” (clássico infantil que valoriza o otimismo e a determinação) pode ser bem o lema de Hermas de Roma, um autor do século II, cujo texto, O Pastor, foi escrito durante o período formativo da história cristã, logo após a morte dos Apóstolos.

Na ausência de uma autoridade apostólica, Hermas e seus contemporâneos buscaram o melhor jeito de conciliar o ensino que tinham aprendido dos apóstolos com a sua própria realidade, obtendo maior ou menor sucesso. O Pastor de Hermas é uma narrativa intrigante que força o leitor a revisitar ideias que são geralmente vistas como surgidas apenas na atualidade. Em seu livro, Hermas relata a visão de um anjo que lhe entregou lhe ensinou parábolas vestido como pastor de ovelhas.

Cerca de ¼ do texto é composto dedicado a mandamentos para uma vida santa para que Hermas recuperasse o favor de Deus, perdido após uma vida de pecado. Um desses mandamentos é o que o Pastor dirige aqueles que têm “fraqueza de fé”:

Não esteja tíbio sobre pedir a Deus sobre algo, dizendo a si mesmo, por exemplo: ‘Como eu posso pedir algo de Deus e receber o que peço, se pequei tantas vezes contra Ele?’ Não argumente dessa forma para si mesmo, mas volte-se para Deus com todo o seu coração e pergunte a ele sem hesitação, e você saberá a compaixão extraordinária dEle, porque Ele nunca o abandonará, mas cumprirá seu pedido de coração.... Assim, limpe seu coração de todo duplo ânimo e vista-se de fé, porque Deus é forte, e confie que você receberá todos os pedidos que fizer.

A fraqueza de fé de Hermas se manifestara em uma falta de confiança em sua relação e postura com Deus. Em sua forma mais avançada, ele começara a duvidar do que Deus havia prometido que faria com ele. Essa tibieza atrofiara a sua relação com Deus porque destruíra a confiança, e nenhuma relação pode funcionar sem confiança.

Como remédio contra a fraqueza de fé, o Pastor prescreve a própria fé. Assim como a dúvida destrói uma relação, a fé a reconstrói. O Pastor vê a fé como uma ação que tem um objeto: um homem fiel à sua esposa, um homem de negócios fiel aos seus contratos. Para Hermas, ser fiel significa ser fiel para Deus, confiando no que Deus tinha revelado para ele ser, e agindo apropriadamente na luz dessa revelação. Isto tinha aplicações imediatas e práticas na vida de Hermas, porque ele já estava em dúvida se poderia cumprir os mandamentos que o Pastor estava lhe dando. Hermas soube então que Deus tinha prometido prover força para a sua vida santificada, porém, em sua tibieza, ele agia como se não soubesse nada sobre a ação de Deus.

A reprimenda do Pastor a Hermas é instrutiva ainda hoje. A fraqueza de fé é uma doença insidiosa que frequentemente passa despercebida, mas tem um potencial destrutivo. A ignorância de Hermas sobre sua condição deveria sinalizar aos cristãos modernos que desejam vencer o obstáculo da falta de fé. Um bom começo para isso está em nossas orações. Quando fazemos nossos pedidos a Deus, nós o fazemos com fé, com uma expectativa condizente com o poder e generosidade que Deus demonstra ter nas relações conosco, ou nós fazemos de forma tíbia, colocando em dúvida se Deus concederá? Se nos acharmos na situação de Hermas, então precisamos vitaminar nossa fé. Um bom começo seria refletindo em quem Deus mostrou-se a si mesmo, o que pode ser encontrado tanto na Bíblia como em nossas vidas. Deus demorou milhares de anos para formar o Seu povo. Nossa responsabilidade é lembrar quem Ele é, como se revelou a nós, e como age conforme aquelas promessas. Felizmente, muitos trilharam por esse caminho antes de nós, e Deus esteve com eles. Depois de 4 mil anos de interação, podemos estar seguros de que Deus “é o mesmo ontem, hoje e eternamente”.

Por Jonathan Nichols, em http://evangelicaloutpost.com/archives/2010/11/i-think-i-can.html

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Maioria dos cristãos britânicos percebe marginalização

Pesquisa conduzida pela ComRes (para a Premier Christian Media) avalia que 81% dos que frequentam a igreja na Grã-Bretanha percebem que a marginalização dos cristãos é cada vez maior na mídia e na imprensa. A pesquisa também indicou que 77% percebem que essa marginalização ocorre na esfera pública, e 2/3 acham que existe também no mercado de trabalho. Essa percepção é maior em mulheres do que em homens.

A avaliação desse sentimento ocorre após incidentes que mostraram o aumento de ações anticristãs na Grã-Bretanha, ao mesmo tempo em que se desenvolve uma cara e pesada campanha difamatória movida por entidades como a British Humanist Association[i] e a National Secular Society.

Em janeiro de 2009, um conselho local cortou a verba de um asilo mantido por cristãos evangélicos porque sua direção recusou-se a responder sobre suas opiniões a respeito da homossexualidade.

Em fevereiro de 2009, foi divulgado publicamente que uma enfermeira cristã foi suspensa do hospital onde trabalha por ter se oferecido para rezar pela recuperação de um paciente.

Também em fevereiro de 2009, uma recepcionista escolar foi punida pela escola por ter enviado um e-mail aos amigos de sua igreja, pedindo orações por sua filha.

Em maio de 2009, o ministério da Igualdade anunciou que determinaria que as igrejas cristãs vão ser obrigadas a contratar homossexuais como instrutores para a juventude.

Em junho de 2009, uma cristã de 67 anos que reclamou contra a realização do evento ‘Gay Pride Parade’ em sua cidade, foi acusada pelo conselho de de ‘crime de ódio’ e interrogada pela polícia.[ii]

Em julho de 2009, um pregador que recitava a Bíblia em público foi impedido pela polícia local sob a acusação de ‘comentários homofóbicos e racistas’.

Na British Airways, uma comissária teve que acionar a Justiça porque seus empregadores exigem que ela esconda uma cruz que usa no pescoço.

Em julho de 2010, uma tutora legal que cuidada de uma adolescente muçulmana ameaçada pela família foi afastada por ter permitido que a menina (de 16 anos) se convertesse ao cristianismo.[iii]

Em novembro de 2010, uma enfermeira foi suspensa de seu trabalho por ter presenteado um colega com um livreto contrário ao aborto.

Em janeiro de 2011, os donos de uma hospedagem em Cornwall foram multados em 3.600 euros por restringirem os quartos apenas a casais heterossexuais.

Esse dado revela um aumento dessa preocupação, em relação a uma pesquisa similar feita no ano anterior pela mesma ComRes, que indicou que 2/3 dos cristãos percebem uma discriminação negativa maior do que qualquer outro grupo religioso no país – na ocasião, 44% dos entrevistados afirmou já terem sido ridicularizados por vizinhos, amigos ou colegas pelo fato de serem cristãos.



[i] a BHA recebeu 35 mil euros do governo trabalhista para fornecer ‘orientações’ para o ministério da Igualdade.

[ii] a acusação, nesse caso, foi julgada ‘desproporcional’ até pelo mesmo pelo líder ativista homossexual Ben Summerskill, e condenada também por comentaristas da mídia e por políticos.

[iii] sistematicamente, os conselhos locais tem excluído casais cristãos da fila de possíveis pais adotivos por causa da oposição por motivo de crença a uma escolha homossexual das crianças adotadas.

Por quê?

A imagem abaixo é de uma bandeira coberta com sangue, como resultado do ataque com bomba à igreja copta Qidissian, no Egito.

No ataque contra uma missa cristã de Ano Novo em Alexandria, em 1 de janeiro, resultou em 21 mortos e 79 feridos. Um ataque semelhante, no Iraque, durante a missa do Natal, teve saldo de 46 mortes.


sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

De boatos e manifestos

Ainda sobre as eleições de 2010... pesam comentários, de um lado ou de outro, sobre como se deve dar a interferência das igrejas (ou ao menos dos crentes, pensando agir no interesse da religião) na esfera política.
Vejo que muitas ações que deviam ser condenadas foram aceitas como “parte do jogo” (como a multiplicação de boatos inverídicos), e outras que se incluem no dever de ação da igreja junto à sociedade foram vistas como uma interferência absolutamente indesejável, uma “americanização da política” (segundo a opinião de Bresser Pereira).
Tentar obstruir o envolvimento da igreja cristã em temas da sociedade alertando para o caráter laico do estado é puro farisaísmo. Cada cidadão e cada liderança tem o pleno direito de eleger um tema ou mais como essenciais para a tomada de decisão política, conforme a sua visão particular de mundo, que de modo algum tem que se ajustar a um estreitamento secular que “censura” determinados temas e limita a compreensão da realidade muito aquém do seu todo.
A mim, por exemplo, não me interessa a agenda dos partidos sobre a previdência social ou a privatização (até porque os políticos eleitos já se cansaram de prometer determinadas coisas e cumprir um programa totalmente diferente). Eu decido quais temas são importantes para as minhas decisões e vejo como perda de tempo comparar candidatos com posturas tão iguais.
Se a diferença está em questões morais (que inevitavelmente afetam a religião) é aí que podemos fazer escolhas.
O aborto
Dilma é abortista – deixou isso bem claro em 2007.
Não adianta reunir uma claque de cantores e pastores para dizer que mudou de compromisso quando seu próprio partido se recusa em abrir mão dessa posição, exigida pela estratégia feminista que se vincula ao partido. As duas primeiras versões do programa de Dilma previam a descriminalização do aborto. Na terceira, já não consta.
É claro que esse não deve ser o único critério para a escolha de uma candidata. Por mais que a esquerda religiosa procure obscurecer o espectro das escolhas e alegar falta de legitimidade da igreja cristã para falar desse tema, há elementos que não devem ser ocultados. Se os sindicatos e associações de classe podem fazer suas escolhas políticas, se movimentos “cristãos” de natureza obscura podem fazer suas escolhas políticas... por que as igrejas não?
Nas eleições dos últimos 20 anos, a esquerda religiosa sempre correu para defender nas igrejas o apoio a um determinado candidato, mas agora acha muito inconveniente que outros façam o mesmo.
Fez e continua fazendo
Pior ainda que os boatos mais absurdos (como o de que Michel Temer é um satanista), foi um “Manifesto dos Cristãos pela eleição de Dilma” que circulou com subscrições de 600 “líderes” religiosos (na realidade, quase todos militantes do PT) para obstruir manifestações “autoritárias e mentirosas” contra sua candidata.
O manifesto é um primor de submissão. Ele vez de tocar diretamente nas questões morais envolvidas na disputa eleitoral, prefere desviar para termos vagos, genéricos, que sugerem que o projeto do governo, mesmo pretendendo aprovar o aborto, está defendendo o direito à vida. O manifesto é tão acrítico que até a política externa – definida como “feliz”, mesmo com seu apoio a ditaduras homicidas e sua indiferença aos direitos humanos – é defendida.
Um manifesto submisso, descuidado, apressado e tão legítimo que conta até com as assinaturas uma “Paula Tejando” e um “Oscar A’lho” (confiram os números 535 e 536), ministros de uma improvável “Igreja do Amor Humano”.
(Ah, esqueceram de incluir no manifestos eleitores muito mais “decisivos”, como Edir Macedo, Samuel Ferreira ou Marcos Feliciano...)
Teólogos, pastores e padres podem errar. Aliás, costumam errar. Mas estão errando muito e errando demais. Como cegos conduzindo outros cegos, são vozes que vem há décadas tentando calar o povo de Deus. É com essa seriedade que tratam das coisas de Deus?

A casa dos horrores do aborto


Um relatório judicial de quase 300 páginas descreveu a clínica Gosnell, em Philadelphia, como um ambiente sujo e fétido, cujas condições de barbárie foram sistematicamente ignoradas pelas autoridades do estado da Pennsylvannia por mais de três décadas.
Na clínica, em que o rico Dr. Kermit Gosnell atendia a mulheres pobres desde 1979, geralmente imigrantes ou de minorias raciais, foram praticados milhares de abortos, muitas vezes em procedimentos tardios, após 20 semanas de gestação, quando os riscos são maiores – a lei estadual autoriza o aborto até 24 semanas, mas poucos médicos se arriscam a tanto. Um aborto (comum) custava cerca de 325 dólares, mas abortos “tardios” (até 30 semanas, além da lei) chegavam a 3 mil dólares. A clínica faturava de 10 a 15 mil dólares por dia.
Kermit Gosnell, de 69 anos, é um médico de família (sem especialização em obstetrícia), foi preso sob a acusação de 7 homicídios de bebês vivos (que após serem retirados foram retalhados com uma tesoura) e também de uma mulher que sofreu uma overdose de analgésicos enquanto aguarda pelo aborto. Além das condições precárias, a clínica não dispunha de enfermeiros treinados para o trabalho, e por isso quatro funcionários e a esposa do médico também foram indiciados.
Na técnica utilizada por Gosnell, o trabalho de parto era induzido nas pacientes no sexto ou sétimo mês de gestação. Então, o feto era retirado vivo do útero e depois decapitado, o que classifica o método como “aborto por nascimento parcial” (em que o bebê é retirado pelo corpo e então decapitado), uma modalidade proibida nos Estados Unidos desde 2000.
Apesar dos 46 processos movidos contra o médico, a inspeção regular da clínica foi suspensa em 1993, quando procuradores pró-aborto mudaram a política do estado.
No início de 2010, a polícia foi á clínica verificar uma denúncia sobre drogas e acabou encontrando sacos e garrafas com fetos abortados, além de um jarro de pés cortados sem nenhuma finalidade médica. O local cheirava a urina de gato, os móveis tinham manchas de sangue e animais circulavam livremente pela casa. Porém, pacientes brancas eram atendidas em uma ala reservada.
Autêntico cenário para um filme de terror.